Maurice Strong

Empresário e diplomata canadense, Maurice Strong (1929-2015) foi pioneiro na defesa do desenvolvimento sustentável, antes mesmo de o conceito ter sido criado. Em razão de sua importância no debate ambiental, presidiu a Conferência de Estocolmo em 1972, a primeira reunião de chefes de estado a discutir a relação entre atividade econômica e preservação do meio ambiente. Foi, no mesmo período, o primeiro diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).
Vinte anos depois, Strong presidiu a Eco92, que reuniu no Rio de Janeiro representantes de 178 países. Durante o evento, defendeu enfaticamente a necessidade uma economia que se afastasse dos combustíveis fósseis, que usasse os recursos naturais de maneira responsável e fosse inclusiva socialmente. Entre os resultados do encontro, está a criação das Convenções-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima.
Em depoimento ao documento Keel, dirigido por Duto Sperry, o ambientalista canadense lembrou que, para salvar o planeta, não bastam compromissos assumidos em reuniões de cúpula. O sucesso depende do comprometimento de todos os cidadãos, motivados por uma necessidade interior. Trata-se de “uma questão moral e espiritual”, afirmou Strong.

Savanização da floresta

Artigo anterior