Radar

“Estamos próximos de uma catástrofe”, alerta ONU ao anunciar indicadores climáticos de 2021

Compartilhe

Os principais indicadores das mudanças climáticas no planeta atingiram níveis preocupantes no ano passado, de acordo com relatório divulgado na última quarta-feira (18) pela Organização Meteorológica Mundial (WMO), agência ligada às Nações Unidas. Estamos “cada vez mais próximos de uma catástrofe climática”, afirmou António Guterres, secretário-geral da ONU, durante o anúncio dos resultados.

O ano de 2021 teve uma temperatura média 1,1° C acima dos níveis pré-industriais. Apesar de ter sido ligeiramente mais frio do que 2020 – redução devida principalmente ao fenômeno La Niña –, o ano passado está entre os sete mais quentes da história.

De acordo com o relatório “Estado do Clima Global em 2021”, quatro indicadores bateram recordes no ano passado. A concentração de CO2 na atmosfera continuou a aumentar e atingiu 413,2 partes por milhão, 149% superior ao período pré-industrial.

Segundo o documento, os oceanos ficaram mais quentes nas profundidades superiores a 2.000 metros. O relatório aponta também que a acidificação dos oceanos se intensificou, ameaçando a vida marinha — o fenômeno resulta do aumento da concentração de CO2 na atmosfera, já que 23% das emissões são absorvidas pelos mares. E o nível médio dos oceanos continuou a aumentar – o crescimento médio é de 4,5 milímetros por ano entre 2013 e 2021, superior ao dobro do índice registrado entre 1993 e 2002.

Guterrez defendeu investimentos públicos e privados em energia renovável e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis. Já Petteri Taalas, secretário-geral da WMO, pediu o fim do desmatamento da Amazônia. “Minha recomendação ao governo do Brasil é que parem o desmatamento e se concentrem até em plantar mais floresta na região”, disse.

Clique aqui para ler o relatório da Organização Meteorológica Mundial.

Clique aqui para ler reportagem publicada pela CNN Brasil.

Amazônia perde em abril área equivalente à cidade do Rio de Janeiro

Artigo anterior

Brasil recicla apenas 3% dos resíduos eletrônicos

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

O seu endereço de e-mail não será publicado.