Radar

Consumo de plástico no setor de delivery de comida aumenta 46% em três anos

Compartilhe

O consumo de plástico no setor de refeições para viagem no Brasil saltou de 17,16 mil toneladas em 2019 para 25,13 mil toneladas em 2021, um aumento de 46%, segundo estudo da organização internacional Oceana. Isso significa que foram consumidas 2,8 toneladas de plástico por hora na indústria de delivery de comida durante o ano passado.

A pandemia da Covid-19 foi o principal motivo desse aumento. Os brasileiros passaram a recorrer mais aos serviços de delivery e, com isso, cresceu o uso do plástico para embalar e transportar comida e para fabricação de canudos, talheres e outros utensílios.

O estudo lembra que esse material, criado para consumo e descarte imediato, representa uma das principais ameaças à vida marinha. Mais de 800 espécies são afetadas de alguma forma pelos resíduos plásticos, muitas delas em risco de extinção. Cerca de 90% das aves marinhas e tartarugas já consumiram algum tipo de plástico na vida, segundo o relatório “Um Oceano Livre de Plástico” publicado em 2020 pela mesma organização.

O novo estudo da Oceana defende que os congressistas criem uma lei para reduzir a oferta e o uso de plástico descartável — nos moldes das legislações de países como o Canadá, a China e a Índia. Pede ainda que as empresas de delivery substituam os itens descartáveis utilizados atualmente por opções biodegradáveis ou que possam ir para a compostagem e que invistam em recipientes retornáveis e reutilizáveis e em outros sistemas de transporte, como o a granel.

A Oceana, organização que se dedica à proteção e restauração dos oceanos em escala global, sugere aos consumidores que passem a exigir das empresas de delivery de refeições comprometimento com a campanha #DeLivredePlástico, coliderada pela Oceana e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Clique aqui para ler o estudo “O mercado de delivery de refeições e a poluição plástica”

ONU declara que meio ambiente saudável é um direito humano

Artigo anterior

O Sertão do Seridó

Próximo artigo

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

O seu endereço de e-mail não será publicado.